A + Pesquisar no site A -

Tratamento da doença de Parkinson despoleta criatividade

A toma de fármacos, capazes de aumentar a atividade da dopamina no cérebro, pelos pacientes com doença de Parkinson está a conduzir ao desenvolvimento de novos talentos criativos nomeadamente ao nível da pintura, escultura e escrita.

A investigadora Rivka Inzelberg da Tel Aviv University, em Israel, deparou-se com este fenómeno quando os seus pacientes lhe começaram a oferecer obras de arte da sua autoria. Após ter analisado vários casos, a investigadora conclui que todos os pacientes que se tinham tornado mais criativos estavam a ser medicados com percursores sintéticos da dopamina ou com agonistas do recetor deste neurotransmissor.

Rivka Inzelberg explica que a dopamina está envolvida em várias vias do sistema neurológico e que ajuda na transmissão dos comandos motores. Na verdade, a ausência deste transmissor nos pacientes com doença de Parkinson está associada aos tremores e à dificuldade de coordenação dos movimentos. No entanto, a dopamina está também envolvida no sistema de recompensa.

O estudo refere que os talentos desenvolvidos pelos pacientes foram vários. Rivka Inzelberg dá o exemplo de um arquiteto que começou a desenhar e pintar figuras humanas após o tratamento, ou um paciente que se tornou um poeta premiado. Na opinião da investigadora é possível que estes pacientes estejam a expressar talentos latentes, que nunca tiveram coragem de mostrar anteriormente.

De acordo com Rivka Inzelberg estas expressões artísticas têm um potencial terapêutico promissor, tanto a nível psicológico como fisiológico. Foi também constatado que alguns pacientes se sentiam mais felizes quando estavam ocupados com os trabalhos de arte e as suas limitações motoras diminuíram significativamente.

Estudo publicado na revista “Behavioral Neuroscience”

Imagens

Um lar, um idoso, uma dependência, a familia.  Somos a Solução