A + Pesquisar no site A -

Dia Nacional do Cancro Digestivo

O cancro digestivo é o tumor que mais mata em Portugal, o que o torna num problema de saúde pública que deve ser alvo de campanhas de informação frequentes.

Em Portugal os cancros digestivos mais frequentes são o colorectal e do estômago, registando milhares de novos casos por ano.

Apesar da mortalidade a nível global ter vindo a diminuir nos últimos anos, a incidência do cancro digestivo continua a aumentar no nosso país.

Nos últimos anos tem-se vindo a verificar um aumento do investimento na investigação clínica para tratamento dos doentes portadores desta patologia, já que é a partir destes que se descobrem novos tratamentos mais eficazes.

- Cancro da cabeça e pescoço agrupa todos os cancros com esta localização com exceção dos tumores neuroendócrinos. A maioria destes cancros surge após os 40 anos de idade. No entanto, a sua incidência tem aumentado em pessoas mais jovens nos últimos anos.

- Cancro do estômago, segundo dados da European Society for Medical Oncology, o cancro do estômago é o sexto mais comum da Europa, em 2012 foram diagnosticados cerca de 140.000 (cento e quarenta mil) novos casos. Anualmente, é responsável por cerca de 107.000 (cento e sete mil) mortes. Portugal é dos países da União Europeia com maior número de mortes por cancro do estômago, sendo a região norte mais afetada. A maior incidência é por volta dos 70 anos e atinge mais homens do que mulheres.

- Sarcoma do estroma gastrointestinal (GIST) é um tipo de cancro que pode afetar qualquer parte do trato gastrointestinal, sendo a sua localização mais frequente no estômago, seguindo-se o intestino delgado e intestino grosso. A nível europeu, a incidência deste tipo de cancro é de 1,5 pessoas por cada cem mil (100.000) habitantes por ano. A faixa etária mais frequente localiza-se entre os 60 e os 65 anos. No entanto, pode surgir em qualquer idade. A ocorrência de GIST nas crianças é muito rara.

- O cancro da vesícula e vias biliares é relativamente raro, na União Europeia o cancro das vias biliares afeta 3,2 mulheres e 5,4 homens por cada 100.000 pessoas.

- O tipo de cancro do fígado mais comum é o carcinoma hepatocelular, que tem origem nos hepatócitos, as células principais do fígado. Cerca de 90% dos cancros do fígado são carcinomas hepatocelulares. Regra geral, quando nos referimos a cancro do fígado referimo-nos a este tipo de cancro. Outro tipo de cancro do fígado, que surge mais frequentemente em jovens, é o carcinoma fibrolamelar. Este tipo de tumor cresce de uma forma mais agressiva. No entanto, no que diz respeito ao diagnóstico e tratamento é muito semelhante ao carcinoma hepatocelular. Uma questão importante a referir é que o fígado é um órgão frequentemente atingido por metástases. Isto quer dizer que, um cancro detetado no fígado pode ser uma metástase de tumor primário com outra localização. O cancro do fígado é o sexto cancro mais frequente do mundo, sendo as regiões mais afetadas o Sudeste Asiático e a África Ocidental. A nível europeu, este cancro afeta 10 em cada 1000 homens e 2 em cada 1000 mulheres. A média de idade das pessoas afetadas localiza-se entre os 50 e os 60 anos

- A denominação de cancro coloretal engloba os tumores que acometem o intestino grosso (cólon) e o reto (que é uma parte contínua ao cólon no trajeto do trato digestivo). Logo em seguida, aparece o canal anal, o qual consta dos 12 a 15 centímetros finais do intestino até a borda anal.

Um lar, um idoso, uma dependência, a familia.  Somos a Solução